Onde Mora o Segredo


Desnudei tua pele
Desvesti tua perna,
Com o tesão que impele
Meu esputo à tua caverna;

Transmutei teus membros
Numa dança erótica,
Quantos mais setembros
Ver-nos-ão sob invertida ótica?

Esse meu gozar - quão demente
Que ao te procurar
Segreda o que deveras mente;

Esse meu gozar - quão desvairado
Que ao te encontrar
Fenece em tua fissura, apaixonado.



Thuan Carvalho.

4 comentários:

Rosangela Ataide disse...

Uau, lindo seu desnudar!

Paulo Sotter disse...

Pleno de desejo. Arrepiante descrição. Lindo texto. Sigo teu blog. Um abraço

Expedito G Dias (BLOG DE POESIAS DO PROFEX) disse...

Belos textos de uma sensualidade bem urdida.
Parabéns.
Abraços!

Cristina disse...

Nunca había llegado hasta este sitio, es realmente maravilloso, poesía y letras super apasionadas!
Abrazos muchos.