Translado

Vaguei pela vida
joguei-me na lama
passei duras penas
no abismo da cama

E agora perdida
qual cadela sem guia
aguardo assustada
minha maior transladada

Vestida de creme
ungida de luz
não passo de um traste
estranho contraste
que ao inferno conduz

Viajante sem leme
poluída,  alienada
como puta de estrada
que explora e espreme
o inferno ao extremo

Escorre-se o tempo
d' alma encardida
extingue-se o lume
do corpo, o perfume
esvai-se no céu

E eu vago ao léu...



Texto: Neusa Fiesta
Imagem: Gravura de Eduardo Lima

6 comentários:

mundo virtual disse...

Oiii querida amiga e dona de palavras tão fortes e verdadeiras tão bem expressadas neste belo texto,adorei amiga,bem reflexivo vai além dos erros cometidos durante uma vida toda!!
Bjsss!!

Celamar Maione disse...

Bom estar de volta...
gosto de vagar...
organizo os pensamentos

José S. Pereira disse...

Nessas poesias, nessas reflexões de quem não teme a paixão e a devorada tanto quanto se permite ser devorada, você é insuperável, Fiesta.

Parabéns por mais essa.

Beijos

Neusa Fiesta disse...

Obrigada Celamar, Mauro e Sidney, pelos comentários que incentivam.
Um grande beijo a todos vocês!

Flora Pires disse...

Querida Fiesta!
Belíssima postagem e que mensagem linda e profunda.
Retrata com perfeição o drama da falsa vida fácil, que não passa de um desprezo ao sofrimento e preconceito de que são vitimas estas mulheres.
Parabéns pela sensibilidade ao tratar o tema. Arte pura!
Abraços!
Flora!

Neusa Fiesta disse...

Obrigada, Flora, pelo seu excelente comentário! Realmente, é o drama da falsa vida fácil...

Um grande beijo!